A FARRA DAS TOMOGRAFIAS E O ALTO PREÇO PAGO PELOS PACIENTES - APRENDA A SE DEFENDER

O Dr. Dráuzio Varela comentou recentemente em seu site sobre uma publicação do New England Journal of Medicine (jornal britânico que dispensa explicações), onde estudos recentes apontaram que um paciente que realize uma tomografia de abdome total por ano, durante dez anos, recebe a mesma carga de radiação que um sobrevivente da bomba de Hiroshima! Se ele fizer menos exames (três ou quatro), mas em um intervalo bem mais curto de tempo (um mês, por exemplo), essa carga de radiação, entretanto, poderá ser muito mais alta!

Exames em excesso podem ser muito mais prejudiciais que a própria doença que os motivou, mas infelizmente os pacientes do sistema privado não têm se dado conta disso! 

Trabalho em serviços de radiologia particulares e fico assustado com quantidade de radiação ionizante (e potencialmente cancerígena) que as pessoas vêm recebendo em um curto intervalo de tempo! São crianças, adultos e idosos, que fazem exames de tomografia, às vezes por indicação própria (do próprio paciente) ou do médico da emergência (que geralmente ganha benefícios por cada solicitação)!

Um radiologista amigo meu, que fez estágio recente no Canadá, disse estar assustado com quantidade de tomografias feitas no sistema privado de saúde do Distrito Federal, principalmente em crianças! Ele me disse que lá, quando um médico decidia pedir uma tomografia a uma criança, ele (o médico) tinha que dar mil explicações aos pais, e estes, geralmente, relutavam muito em aceitar a indicação do exame, por saber dos riscos que seu filho corria ao receber uma carga tão alta de radiação! 

"Aqui no Distrito Federal..." - continuou ele - ..."os pais já chegam exigindo uma tomografia para qualquer dor abdominal ou qualquer pancada na cabeça sofrida por uma criança!"

Mas a culpa é mesmo dos pais?

Será que os médicos, que são os que fazem as solicitações dos exames, não têm nenhuma responsabilidade por esse ato, no mínimo, danoso à saúde dos pobres pequenos?

É justificável pedir uma tomografia (ou exames do tipo) para doenças como sinusite, pancadas na cabeça que não produziram evidência de distúrbio neurológico, dores abdominais leves ou moderadas, tosse sem febre alta, entre outras coisas?

Será que, se o médico da emergência tivesse segurança e respaldo para examinar seus pacientes, conversar e orientar a família, haveriam tantos pedidos de exames nocivos e desnecessários?

Se de um lado os médicos alegam que os pacientes gostam do excesso de exames, do outro lado temos os donos dos hospitais e, às vezes, os próprios médicos que atendem nas emergências e que ADORAM os lucros gerados por esses exames!

Hoje em dia, o que mantém um hospital privado se resume a exames e procedimentos, já que consultas não dão quase nenhum lucro (por culpa das operadoras de saúde) e os hospitais são empresas privadas que precisam dar lucro! Na realidade, os hospitais estão hoje entre as empresas mais lucrativas do mercado financeiro, o que atrai investidores de todas as áreas (investimentos em hospitais privados representam um dos melhores ROI - Return of Investment - do mercado)!

Nada contra hospitais darem lucro, mas ter lucro causando prejuízo à saúde das pessoas e ainda fazerem elas acreditarem estar recebendo um tratamento de primeira linha (quando, na verdade estão recebendo um dos piores tratamentos do mundo) é um ato antiético, para não dizer criminoso!

Espero que um dia as pessoas possam acordar e exigir seus direitos! Enquanto esse dia não chegar, terei que continuar lamentando o sofrimento totalmente desnecessário dos que são submetidos a exames e procedimentos apenas pra aumentar os lucros dos donos dos hospitais!

Obrigado! Renato Paula da Silva.

Leia também o artigo de capa da Folha de São Paulo:

Comentários

MAIS VISITADAS